sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Indiferença

Lutar?
Lutar para viver
Lutar para crescer
Lutar para dar sem nunca receber
Lutar para viver

Vida que me abandonas
Vida que não compreende
Que não me quer nem me entende
Vida que me faz sofrer
Viver..

Momentos esquecidos
Momentos perdidos
Momentos que vão e nunca voltam
Palavras que custam
Que doem
Palavras que o vento leva

Vida que me abandonas
Sem motivo ou razão
Não tenho coração
Quero ignorar-te e abandonar-te
Como abandonas tudo o que faço por ti
Sem olhar para trás e menos ainda para mim

Tanto que te quero mostrar
Infelizmente o egoísmo não me deixa entrar
A energia vai desvanecendo
A vontade vou perdendo
Já não te quero abraçar

Sangue do teu sangue
Sangue que flui tão diferente
Sangue que questiono e me prende
Vida que me vê indiferente

5 comentários:

R.B. NorTør disse...

Com agrado vejo mais uma participação neste cantinho. (a juntar a outras noutro cantinho).

Muito bom, continua com produções destas!!!

Carlos Jantarada disse...

Ultima quadra excepcional! Do melhor que li nos últimos tempos.
Composição bastante allegre e colorida :P... ehehehehehe. Não, a sério, muitos destes rasgos negros caem rotundamente no pueril e lamechas e, ainda pior, no exagerado... drama queen style. Não é o que se passa aqui... felizmente.
Parabéns... excelente exercício de catarse num terreno muito escorregadio.

alphatocopherol disse...

Muito bonito, imensamente bem escrito.

Estou sem palavras (ironicamente no com-palavras)

Chas. disse...

Muito Bom! Estou supreendido, andaste este tempo toda a escrever para ti? Partilha lá isso!

João disse...

Não fiquei totalmente surpreendido, pois há muito tempo que insisto para que a autora publique aqui mais textos seus...

Um belo poema que esplana diversos sentimentos de uma forma fluída, sem tropeções. Não há dúvida que quando se escreve sobre algo que nos toca o coração o resultado final é sempre muito melhor!