sexta-feira, outubro 19, 2007

Realidades... opostas

Apertou o nó da gravata e abriu a porta do quarto... Desceu ao primeiro piso do hotel e sentou-se em frente à farta mesa do pequeno almoço. Que dia aquele!

Penteou-se e saiu da casa de banho... Percorreu o corredor escuro da casa e na cozinha preparou meio papo seco com manteiga. Mais um dia aquele...

Cumprimentou o motorista e entrou na viatura nova em direcção à reunião. Abriu a pasta e releu o discurso novamente.

Despediu-se da Dona Laurentina e entrou na carreira em direcção à cidade. Olhou para a mica e certificou-se que tinha trazido os papéis.

Entrou no edíficio à hora marcada e tentou permancer indiferente aos flashes que se desprendiam das máquinas fotográficas. Dirigiu-se ao púlpito indicado por um assessor... fez uma pequena pausa e começou a falar.

Entrou no centro de emprego dois minutos atrasado e fez-se indiferente perante a antipatia do empregado. Subiu ao sexto andar como indicado por ele. Abriu a porta e aguardou que o homem falasse.

- Caros presentes. Este novo empreendimento desta conhecida multinacional, revela-se de extrema importância como todos sabem... Daqui resultarão cerca de mil novos postos de trabalho e permitirá dar um novo fôlego neste importante sector empresarial.

- Senhor Sousa. Este plano que o centro lhe sugeriu, parece não ter surtido efeito... Daqui não resultou nada que alterasse a sua situação e precisamos de tentar mudar algo para o intruduzir novamente no mundo do trabalho.

Dirigiu-se para a sala reservada para o cocktail, foi-lhe entregue em mao uma garrafa de champanhe... com um sorriso para os presentes, soltou a rolha de forma ruidosa e pediu um copo.

Enquanto o funcionário se dirigiu a uma sala contígua com papelada diversa, reparou na janela que se encontrava á frente... com um ar resoluto que ninguém podia ver, abriu-a em silêncio e saltou para o parapeito.

Três breves segundos... O tempo que o líquido demorou a cair no copo, perante o som das palmas ruidosas na sala.

Três angustiantes segundos... O tempo que o corpo demorou a cair na rua, perante o silêncio daquela manhã calma.



Boa noite este é o telejornal! O Primeiro Ministro inaugurou hoje a nova filial da empresa Kronix em Lisboa.

Boa noite eu sou Comandante Gomes... Dona Laurentina lamento informar que o seu filho morreu hoje em Castelo Branco...

5 comentários:

-Celt- disse...

Infelizmente é este o panorama no nosso país onde os numeros apresentados pelos governantes não espelham a realidade de muitos milhares de portugueses em situação periclitante, muito embora ainda não estejam empoleirados em parapeitos de janelas, pelo menos por enquanto...

Chas. disse...

genial...

João disse...

Ainda que a temática em sim não me toque demasiado, visto a crítica da mesma ser um pouco como caminhar em terrenos pantanosos, um texto bem original

alphatocopherol disse...

N.A. (Este texto não inclui uma crítica à situação política do país, nem pretende visar ninguém em especial. Aliás passa-se em Portugal, mas poderia ser aplicado a qualquer região do mundo onde existem desigualdades. Penso que devia ter publicado esta nota antes, mas não me apercebi que o texto podesse ser interpretado dessa forma! Um bem haja a todos)

Captain Dildough disse...

Mais um pró caldeirão parodiante da Penal!